Plantas geneticamente modificadas: a intersecção entre agronomia e a biotecnologia

As plantas geneticamente modificadas são classificadas como aquelas que tiveram seu material genético modificado em laboratório através de técnicas de engenharia genética a fim de obter uma característica de interesse. Os transgênicos utilizados na agricultura são um exemplo clássico de plantas geneticamente modificadas, visto que estes receberam parte do material genético de outra espécie.
Essa tecnologia é uma resposta da sociedade científica aos problemas que afetam a humanidade, conferindo às plantas modificadas diversas vantagens, entre elas:
1) Resistência à pragas e doenças, o que causa diminuição do uso de produtos químicos e consequente diminuição dos gastos.
2) Aumento da produtividade
3) Redução do uso de fertilizantes
4) Melhor tolerância às mudanças climáticas

Porém, é importante ressaltar a cautela na utilização desse tipo de organismo, visto que eles podem ser responsáveis pela diminuição da biodiversidade, criação de super pragas e pela poluição genética das espécies. Portanto, é importante a utilização da tecnologia com consciência e responsabilidade a fim de buscar melhores resultados na lavoura sem afetar o meio ambiente.