Sustentabilidade e longevidade: conheça os iogurtes “plant based”

Nos últimos anos a indústria tem visto uma crescente na procura e consumo de produtos à base de plantas impulsionado pela crescente no número de consumidores vegetarianos ou veganos em todo o mundo. Essa mudança no perfil de seus clientes é motivada por uma série de fatores, dentre eles a busca por hábitos alimentares mais saudáveis baseado em uma dieta de vegetais e por alimentos que causem um menor impacto ambiental e proporcionem um bem-estar aos animais, reduzindo sua exploração.

Nessa janela de oportunidade, as empresas têm investido muito em pesquisas para desenvolver produtos que atendam esse novo público, dentre eles o iogurte à base de plantas (plant based). A mudança, comparando-o ao seu modelo clássico, se resume à substituição do leite de origem animal por leites ou bases de origem vegetal para a formulação desses produtos. Além disso, é necessário a adição de açúcares, como a sacarose, para substituir a lactose e não afetar o processo fermentativo do mesmo, sendo ele realizado pela inoculação de bactérias fermentadoras irão transformar os açúcares dessa base em ácido lático, que é responsável pela característica “azedinha” e peculiar dos iogurtes.

Dentre as empresas que investem nesse novo mercado damos o foco para uma companhia dinamarquesa que desenvolveu uma cultura que vem a promover o controle do crescimento biológico em seus produtos, que esperam aumentar em até 10 dias a vida útil extra dos produtos, o que reduziria em 30% o desperdício de iogurtes na Europa por vencimento da validade, segundo a empresa. Ao promover esse controle ele impede que haja a proliferação de bolores e leveduras nos fermentados, além de assegurar o frescor e preservação do sabor do mesmo no período de transporte e enquanto estiver nas prateleiras.

Esse produto preventivo que impede a deterioração de bebidas fermentadas sem a utilização de conservantes sintéticos se mostrou eficaz e é principalmente destinado para iogurtes à base de plantas, o que viria a acrescer em seu valor, que segundo a empresa se 5% dos iogurtes no mercado forem substituídos pelas alternativas vegetais com o implemento da sua fórmula conservante seriam deixados de serem produzidas 3.000.000 de toneladas de CO2 por ano. Com isso a empresa conseguiria atingir o ideal do seu público alvo produzindo um produto de origem vegetal e que não agrida de forma severa o meio ambiente.

O que achou desse mercado crescente de produtos à base de plantas que também promovem uma maior sustentabilidade? 

Gostaria de analisar a validade de seu produto e como aumentá-la? Entre em contato conosco e realize um orçamento!

contato@bioproxjr.com.br

Culture provides longer shelf life for plant based yogut. Disponível em: https://foodnationdenmark.com/cases/cultures-provide-longer-shelf-life-for-plant-based-yogurt/

Iogurtes vegetais: oportunidade de negócio cresce cada vez mais no país. Disponível em; https://www.vidaveg.com.br/iogurtes-vegetais-oportunidade-de-negocio-cresce-cada-vez-mais-no-pais/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.